MESAS REDONDAS

Um Assunto de Família

13 de junho, às 15hs

Toda memória familiar é parte constitutiva da História, particularmente quando essa memória familiar se projeta também como políticas da lembrança e políticas de apagamento. Nesta mesa, a proposta é debater algo que não é novo no cinema, mas que vem se intensificando e se capilarizando nos últimos anos: filmes que narram a História a partir de uma mirada muito pessoal sobre narrativas familiares, contadas no olhar e na voz de quem faz parte dessas famílias.

Convidadas:

Aline Mota

(cineasta)

 

Kawthat Younis

(diretora do filme "Um Presente do Passado")

Leila Basma

(diretora do filme "O Projeto Adam Basma")

Reman Sadani

(diretora do filme "Lavando a Boca)

Mediação: 

Carol Almeida

(curadora)

Aline Mota Nasceu em Niterói (RJ), vive e trabalha em São Paulo. É bacharel em Comunicação Social pela UFRJ e pós-graduada em Cinema pela The New School University (Nova Iorque). Combina diferentes técnicas e práticas artísticas, mesclando fotografia, vídeo, instalação, performance, arte sonora, colagem, impressos e materiais têxteis. Sua investigação busca revelar outras corporalidades, criar sentido, ressignificar memórias e elaborar outras formas de existência. Foi contemplada com o Programa Rumos Itaú Cultural 2015/2016, com a Bolsa ZUM de Fotografia do Instituto Moreira Salles 2018 e com 7º Prêmio Indústria Nacional Marcantonio Vilaça 2019. Recentemente participou de exposições importantes como Histórias Feministas, artistas depois de 2000 - MASP, Histórias Afro-Atlânticas - MASP/Tomie Ohtake. Abriu sua exposição individual Aline Motta: memória, viagem e água no MAR/Museu de Arte do Rio em 2020.

Kawthat Younis é uma diretora egípcia. Seu pai foi professor de cinema no Instituto Superior de Cinema do Cairo, uma das escolas de cinema mais antigas do Oriente Médio. Na infância, Younis frequentava as aulas do pai e, quando chegou a adolescência, começou a acumular experiência em sets de filmagem. Aos 18 anos, Younis assumiu trabalhos em equipe remunerados, trabalhando para diretores egípcios renomados como Yousry Nasrallah e Amr Arafa. A partir daí, foi promovida para assistente de direção. Ao mesmo tempo, estudava cinema no Instituto Superior de Cinema do Cairo. Seu filme de formatura, Um presente do passado a impulsionou na cena cinematográfica de cinema local depois que o longa se tornou um sucesso reconhecido artisticamente.

Leila Basma é uma cineasta de Tiro, Líbano. Possui graduação em Artes Audiovisuais pela IESAV em Beirute e atualmente mora em Praga, onde realiza mestrado em direção cinematográfica pela FAMU. Através do seu trabalho, tenta investigar temáticas como o amadurecimento, a exploração de si e a identidade. Atualmente, está desenvolvendo seu próximo curta-metragem Sea Salt e o primeiro longa documentário Dance With Me com a Abbout Productions.

Reman Sadani (1995, Iêmen) é uma artista iraquiana vivendo em Londres e graduada pela Escola de Belas Artes Slade. É uma artista multidisciplinar com foco em cinema e imagens em movimento. Suas narrativas são frequentemente conduzidas pela busca por uma saída. O custo físico dessa busca constante se manifesta no espaço e na performance à medida que a negociação entre o indivíduo e o coletivo se desenrola. Exibições recentes e mostras coletivas incluem: Prêmio de Cinema Jerwood FVU, Jerwood Arts, Londres (2020), Festival de Cinema Independente Iraquiano, Londres (2020), Whole Nine Yards (2020), Soundings, Raven Row, Londres (2019), A Night of Shorts, SET, Londres (2018), No Screening, Galeria IMT, Londres (2015).

Palestinidades: corpo e território

A Palestina é um território e uma experiência que atravessa corpos. Ela é composta de memórias vividas, sentidas, contadas e recontadas por gerações que se amontoam e transitam por espaços limítrofes, múltiplos e disputados. Na Palestina histórica e na al-shatat, a diáspora, as experiências vividas e narradas revelam identidades multi-geográficas (Tawil-Souri) que, em constante urdidura, se tecem no sobrepor de gerações. Os filmes e documentários contemplados nessa Mostra revelam subjetividades e experiências diversas e nos convidam a adentrar câmaras escuras de sensações e imaginações, substâncias reais que revelam formas (im)possíveis de vida. A Palestina produz distintos regimes de subjetividades, gera protagonismos e ideais muitas vezes contraditórios, projetos de vida que sustentam o território palestino como solo comum. Assim, esta mesa tem como objetivo provocar, a partir de uma perspectiva histórica, uma reflexão sobre os engendramentos criados pela experiência subjetiva do conflito no território palestino, tendo como foco o corpo feminino. Mais do que buscar definir a identidade palestina, o intuito é colocar em questão as formas distintas de experimentar os “modos de ser palestina”, levando em conta a trágica experiência do conflito. Dessa forma, buscamos compor quadros que revelam palestinidades, formas de habitar e de se perceber como mulheres sujeitas de uma história que, muitas vezes, insiste em apagá-las e confiná-las, a partir de uma lógica de silenciamento, restrição e condensamento de suas experiências.

28 de maio, às 14hs

Convidadas:

Mahasen Nasser Eldin

(diretora do filme "O Protesto Silencioso: Jerusalém 1929")

 

Riham Issac

(artista performática e professora)

Dina Matar

(professora e pesquisadora)

 

 

Mediação: 

Daniele Abilas

(pesquisadora e produtora cultural)

Fernando Resende

(PPGCOM - UFF)

 

 

Mahasen Nasser-Eldin é uma diretora natural de Jerusalém. Seus filmes contam as histórias de resistência na Palestina nos anos antes e depois da Nakba. Mahasen se graduou na Universidade Georgetown em Washington, D.C, com mestrado em Estudos Árabes. Ela também possui um título de mestre em Realização Cinematográfica pela Faculdade Goldsmith, em Londres. Atualmente, ensina produção cinematográfica e estudos fílmicos na Faculdade de Artes e Cultura da Universidade Dar al-Kalina em Belém.

Riham Isaac é uma artista performática que combina uma gama de práticas – atuação, canto, dança, vídeo – e explora novos meios de performance ao vivo e artes multidisciplinares, criando espaços visuais e instalações de vídeo com performance ao vivo integrada. Riham tem ampla experiência em liderança e criação de projetos artísticos. Em 2017, co-dirigiu The Alternativity, com o diretor vencedor do Oscar Danny Boyle & Banksy, que foi apresentado como um programa na BBC2. Em 2016, dirigiu e produziu I Am You, uma performance multidisciplinar que percorreu a Palestina, Suécia e Dinamarca. Em 2014, ela fez uma performance de happing durante a Bienal Internacional de Qalandia 'Stone on Road'. Recentemente, ela apresentou seu novo trabalho em andamento, Another Lover’s Discourse no AWAN Festival-Arab Woman Artist Now, em Londres, em março de 2020, e está desenvolvendo sua estreia no Festival Internacional de Artes de Belfast em outubro de 2021. Possui Mestrado em Performance pela Goldsmiths 2013. Ela também é a fundadora do Art Salon, um espaço de arte independente na antiga cidade de Beit-Sahour, que traz diferentes membros da comunidade ao espaço para promover práticas artísticas e oferecer oficinas para quem deseja se envolver nas artes e na exploração de seu eu criativo.

Dina Matar leciona na SOAS, Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres, e é presidente do Centro de Estudos da Palestina. Autora de What it Means to be Palestinian (2010); coautora do Hizbullah Phenomenon (2014); co-editora de Gaza as Metaphor (2016) e Narrating Conflict in the Middle East (2013). Ela é cofundadora do Middle East Journal of Culture and Communication. Dina trabalha com comunicação política no Oriente Médio, culturas políticas, mídia e ativismo, narrativa e identidades, memórias e história oral palestina.

Daniele Regina Abilas é antropóloga, desenvolveu pesquisas etnográficas sobre memória traumática, experiência do refúgio, subjetividades no exílio e dinâmicas de elaboração de redes de solidariedade transnacional no Brasil e Oriente Médio. Na Palestina, desenvolveu pesquisas de observação participante junto a organizações e iniciativas glocais, que elaboram espaços experienciais de produção e promoção de gramáticas afetivas e a configuração de novas subjetividades na resistência não-violenta. Atua também como produtora cultural, colaborando na organização de festivais artísticos e culturais na cidade de Belém, onde morou por cerca de quatro anos (entre os anos de 2013 e 2017). É também pesquisadora afiliada ao NEOM – Núcleo de Estudos do Oriente Médio, da Universidade Federal Fluminense.

Fernando Resende é professor do Departamento de Estudos Culturais e Mídia e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, da Universidade Federal Fluminense (UFF).  Coordenador do TRAVESSIA - Centro de Estudos e Pesquisas do Sul Global e do [LAN] Laboratório de Experimentação e Pesquisa de Narrativas da Mídia (UFF). Coordenador local do Projeto "Futures under construction the Global South" (Universität Tübingen, Alemanha). Pesquisador PQ/CNPq com ênfase em teoria e estudos da Comunicação e do Jornalismo, atuando principalmente nos seguintes temas: jornalismo, discurso, narrativas, cultura, comunicação, Sul Global; alteridade, conflito e Oriente Médio. Pesquisador associado do Centre for Film and Media Studies e do Centre for Palestinian Studies da SOAS - University of London.